2 respostas

Subscribe to this post comment rss or trackback url
User Gravatar
Vi-vi-an said in junho 12th, 2009 at 12:59 pm

Deborah, não sei mais o que dizer dos seus contos sem chover no molhado repetidamente!!! Vc nos brinda com mais um texto lindo e com aquelas sutis ironias que vc sabe usar tão bem. Mas posso dizer mais: adorei a brincadeira com os descendentes da idosa suicida e vaidosa e ver meu nome ali estampado, e o da galera tb! Arrepiei-me ao imaginá-la ouvindo “Je ne regrette rien”. E adorei o lapso da personagem tomando vitaminas e adorei sua histeria mal-disfarçada. Muito bom! Mas ainda gosto muito do título original que inclui o “tatuada”, embora a tatuagem não apareça tanto no conto. Esse conto é muito inspirador!

User Gravatar
monica barreto said in abril 4th, 2011 at 3:03 am

E por falar em tatuagem, devo dizer que me senti totalmente preparada para viajar.
Me senti linda e preparada, a não ser que gostaria de antes dansar uma dansinha qualquer
com o Nureyev…só isso
Concordo que o conto é inspirador!

Deixe seu comentário

 Nome (requerido)

 Email (requerido)

 Website (opcional)